MedZap
(86) 3131-1234
***

NOTíCIAS

Quem for pego sem plano de saúde pagará multa de 750 dólares

Classe média baixa será beneficiada por lei. Reforma da saúde no Estados Unidos prevê multa para quem não tiver plano de saúde.

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 24 de março de 2010

Os maiores beneficiados pela reforma do sistema de saúde são os milhões de americanos que não têm assistência médica hoje em dia. Nos EUA, se a pessoa tem mais de 65 anos, está coberta pelo Medicare - plano de saúde em que o governo paga hospitais particulares para prestar o serviço. Se a pessoa é muito pobre, entra no Medicaid, também bancado pelo governo.

E, se tem um bom emprego, tem sua assistência médica paga ou subsidiada pelo empregador. Mas cerca de 45 milhões de americanos, a maioria de classe média baixa, muitos deles jovens, não têm assistência médica porque não têm como pagar. Há também aqueles que são rejeitados pelas seguradoras por ter doenças pré-existentes.

Essas pessoas, quando ficam doentes, precisam usar suas economias, vender casa ou carro para pagar contas de hospital e médico. E eles serão os principais beneficiados pela reforma da saúde.

Pelas previsões de analistas, 95% dos americanos passarão a ter assistência médica com a reforma. Atualmente, há 32 milhões de pessoas que não têm seguro-saúde. Mas essa expansão da cobertura só estará completa em 2019.

E quem perde? Aqueles que têm planos de saúde mais caros e sofisticados passam a pagar um imposto de 40% sobre a assistência médica a partir de 2018. Famílias mais ricas (renda anual de mais de US$ 250 mil) terão um imposto adicional de 3,8% sobre investimentos, a partir de 2013. E calcula-se que serão cortados US$ 500 bilhões em gastos do Medicare.

O governo diz que serão simplesmente economias com tratamentos mais eficientes. Mas muitos especialistas apontam que fatalmente alguns dos benefícios do Medicare terão de ser cortados. Todas essas medidas têm como objetivo gerar receita para financiar a expansão da cobertura de saúde aos não segurados.

Uma série de itens da reforma entrará em vigor nos próximos seis meses. As restrições para seguradoras passam a valer - elas ficam proibidas de negar cobertura a pessoas que ficarem doentes, rejeitar crianças por causa de doenças pré-existentes, e jovens poderão fazer parte da apólice dos pais até os 26 anos, em vez dos atuais 18 ou 19 anos.

Além, disso, pequenas empresas com menos de 25 empregados terão incentivo fiscal para oferecer assistência médica a seus funcionários. Idosos de baixa renda, que fazem parte do Medicare, terão 50% de desconto em remédios a partir de julho.
 
Subsídios. Outras mudanças vão demorar um pouco mais para entrar em vigor. Em 2014, o governo vai criar os mercados de venda de seguro de saúde. O governo também passará a dar subsídios a famílias ganhando até 400% acima do nível de pobreza, para que possam comprar seguro de saúde.

Quem for pego sem seguro de saúde poderá pagar multa de até US$ 750 por ano. Na mesma data, as empresas com mais de 50 funcionários que não derem assistência médica para seus empregados também terão de pagar multas.
 
Pontos-Chave
 
Promessa 
 
Durante campanha eleitoral, Obama apresenta proposta ambiciosa de reforma no sistema de saúde dos EUA. O projeto é um dos principais pontos em sua agenda de governo
 
Protestos
Apesar de reconhecer que o sistema está falido, muitos conservadores consideram a reforma de Obama "socialista" e insistem que a livre concorrência deve continuar a ser a base do setor
 
Aprovação
Com nova lei, cerca de 32 milhões de americanos sem seguro passam a ter assistência médica. Todos ficam obrigados a ter um plano de saúde e alguns recebem subsídios para isso
 
Próximos passos
Projeto aprovado na Câmara e o texto que passou no Senado serão debatidos por uma comissão de conciliação antes de ser apresentado à sanção do presidente americano.

 

Fonte: Agência Estado
Enviada por JC
Edição: F.C.
24.03.2010

Comentários

Nenhum comentário cadastrado. Seja o primeiro!





Deixe seu comentário

Nome*
Email*
Verificação*
Seu comentário*