(86) 3131-1234
****

NOTíCIAS

Entenda os protestos dos ‘coletes amarelos’, que desafiam o governo na França

O movimento tem como símbolo os coletes amarelos, uma referência à vestimenta de alta visibilidade que motoristas franceses são obrigados a levar em seus carros e usar em caso de acidente de trânsito.

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 03 de dezembro de 2018

Uma série de protestos na França motivados pelo aumento de impostos sobre combustíveis colocou o presidente Emmanuel Macron sob pressão inédita. As manifestações, iniciadas há três semanas, têm sido enfrentadas com forte repressão policial.

Entenda o que são os protestos dos “coletes amarelos”:

1. Protestos são os mais violentos da última década
As manifestações têm bloqueado ruas e estradas em todo o país, e em alguns casos têm sido foco de vandalismo e enfrentamento com as forças de segurança. No sábado (1º), houve tumulto e depredação nas ruas de Paris, na região do Arco do Triunfo, um dos principais pontos turísticos da capital francesa –o monumento chegou a ser pichado com os dizeres “os coletes amarelos triunfarão”.

Em Paris e em outras localidades, a polícia usou gás lacrimogêneo e jatos d’água para dispersar a massa, deixando 263 pessoas feridas em todo o país –só na capital, 133 se machucaram, incluindo 23 policiais, e 412 manifestantes foram detidos.

A França não via protestos tão violentos pelo menos desde 2005, quando jovens descendentes de imigrantes organizaram manifestações contra o desemprego e a violência policial nas periferias urbanas.

2. Movimento teve início em cidades do interior
A França tem uma longa tradição de greves e protestos, particularmente nas grandes cidades. Desta vez, porém, o movimento teve origem espontânea em cidades do interior, com déficit de transporte público e, portanto, onde os trabalhadores são mais afetados pelo aumento dos preços dos combustíveis –o preço do diesel subiu 23% no último ano, enquanto a gasolina ficou 15% mais cara.

As manifestações evoluíram e incorporaram outras pautas, incluindo a insatisfação com o valor do salário mínimo e com as políticas de austeridade do governo Macron. O movimento tem como símbolo os coletes amarelos, uma referência à vestimenta de alta visibilidade que motoristas franceses são obrigados a levar em seus carros e usar em caso de acidente de trânsito.

3. Governo Macron avalia implementar estado de emergência
Neste domingo (2), após retornar da reunião do G20 em Buenos Aires, Macron participou de uma reunião de emergência de seu gabinete e visitou locais depredados em Paris na véspera.

Integrantes do governo acusam setores de extrema direita e extrema esquerda de incitar a violência nos protestos. Marine Le Pen, líder da ultranacionalista União Nacional (antiga Frente Nacional), e Jean-Luc Melénchon, dirigente da esquerdista França Insubmissa, declaram apoio aos manifestantes e sugerem a realização de eleições parlamentares antecipadas como solução para a crise.

Macron disse que “jamais aceitará a violência” e ordenou que aliados comecem a negociar com os manifestantes, ainda que não tenha dado sinais de que pretende atender às suas reivindicações. O presidente justifica o aumento dos preços dos combustíveis enquanto medida necessária para desestimular o transporte individual e reduzir as emissões de gases-estufa, mas opositores dizem que a medida serve para atender aos interesses do mercado.

Em entrevista, um porta-voz do governo deu a entender que Macron avalia implementar estado de emergência para coibir novas manifestações. A medida foi adotada pela última vez em novembro de 2015, após os atentados do grupo terrorista Estado Islâmico em Paris, que deixaram 130 mortos.

4. Coletes amarelos inspiram protestos em outros países
Pesquisas de opinião mostram que os manifestantes na França contam com amplo apoio da sociedade. Uma nova onda de protestos foi marcada para o próximo sábado (8). Inspirados pelos coletes amarelos franceses, manifestantes organizaram protestos similares na Bélgica, Holanda e Alemanha. Caso acumule força nas próximas semanas, a mobilização pode vir a impulsionar iniciativas antiausteridade na Europa.


Fonte: Folha
Edição: F.C.

Comentários

Nenhum comentário cadastrado. Seja o primeiro!





Deixe seu comentário

Nome*
Email*
Verificação*
Seu comentário*