(86) 3131-1234
*

DICAS DE LIVRO

Literatura e Cinema: diálogo sobre a união das duas artes

José Domingos de Brito organiza uma brilhante coletânea de opiniões marcantes dos célebres gênios do cinema e litaratura mundial, além de suas biografias e artigos de pesquisadores.

Tamanho da letra:
A
A
Publicado em: 27 de maio de 2013
Literatura e Cinema é um livro necessário à cabeceira dos admiradores do cinema, da literatura e estudiosos do assunto.O autor José Domingos de Brito fez um trabalho de pesquisa detalhado, o que resultou em uma edição organizada de artigos, depoimentos e biografias resumida. A publicação de 2008 é parte da coleção ?Mistérios da Criação Literária?, da editora Novera, que traz ensaios, artigos e arquivos do casamento das seis artes com a literatura mundial. Desta vez, o autor procurou no pensamento de escritores e cineastas as faces da adaptação de romances para as grandes produções cinematográficas.

Com a obra, o autor propôs um diálogo sincero sobre o tema e buscou em recortes jornalísticos, depoimentos que marcam bem as experiências de adaptação das letras para o Cinema ao longo do século XX e XXI. Para alguns autores presos à beleza da sua criação literária, a transformação em filmes pode resultar em uma experiência pouco feliz, até mesmo beirando o completo fracasso. Entretanto, a essencialidade do livro mostra como as duas formas de arte são diferentes e incomparáveis do ponto de vista informacional e estético.

Partindo da literatura como inspiração aos roteiros de cinema, os escritores têm apenas uma opinião comum, a de que seus livros são apenas idealizações e nenhuma produção pode ser comparada ou julgada em relação à literatura. Esta máxima deixa ao cineasta a liberdade de licenças poéticas e adequações ao produto audiovisual, que frequentemente exige a condensação da história, recurso necessário ao tempo do cinema. Na realidade, esses depoimentos presentes no livro dão a tônica da leitura, nos tornando conscientes do que está por trás dos filmes baseados em romances.

O escritor colombiano Gabriel Garcia Márquez nunca teve nenhum de seus livros adaptados para o cinema, posição que prefere manter intacta, mesmo com o assédio de grandes produtoras. Em um trecho ele é pragmático sobre sua arte. ?(...) Prefiro que a coisa permaneça como uma relação particular entre leitor e o livro... Não consigo pensar em nenhum filme que tenha melhorado um bom romance, mas sei de muitos bons filmes que saíram de romances muito ruins.?

A opinião de Márquez é semelhante a de muitos autores, contudo existem excessões que encontram no cinema a razão de escrever, transformando roteiros bem sucedidos em filmes e em livros. É o caso do mexicano Guillermo Arriaga, autor de Babel e 21 Gramas, textos que resultaram em filmes aclamados.

Literatura e Cinema ressalta que é esta relação precisa ser vista de vários aspectos, entre eles a utilidade divulgadora que o cinema faz em relação ao romance, proporcionando ao leitor uma imagem prévia dos personagens do livro, mas com a riqueza estética do cinema.

Mesmo com as resistências de autores em encarar suas obras através do olhar cinematográfico considerando a literatura maior e eterna em relação ao cinema. Pedro Almodóvar está na classe de diretores que defendem os filmes como uma arte que se faz menor perto da literatura, mas algo que denota maior afinidade com a história contada audiovisualmente e as demais técnicas empregadas.


Literatura e Cinema, volume 4, ?Coletânea de depoimentos célebres e bibliografia resumida?
Autor: José Domingos de Brito
Editora ? Novera ? São Paulo
ISBN 978-85-60000-10-4
Ano de lançamento : 2007 ; 208 páginas

Onde encontrar:
Livraria Nova Aliança
Rua Olavo Bilac, 1259, Centro, próximo ao ginásio do Diocesano
Telefones: 3221-6793 / 3222-8399
Horário de Funcionamento:
Seg à Sex ? das 6:30h às 19h. Aos sábados das 6:30h às 13h.


Samira Ramalho

27.05.2013

Comentários

Nenhum comentário cadastrado. Seja o primeiro!





Deixe seu comentário

Nome*
Email*
Verificação*
Seu comentário*